Resenha: O Meu Pé de Laranja Lima


Título: O Meu Pé de Laranja Lima
Autor: José Mauro de Vasconcelos
Páginas: 190 páginas
Editora: Editora Melhoramentos Ltda.

“José Mauro de Vasconcelos já é um clássico da literatura brasileira do século XX. Seu livro mais conhecido, O Meu Pé de Laranja Lima, é um sucesso ininterrupto desde seu lançamento em 1969. Atualmente, a obra de José Mauro é publicada em toda a América Latina, Europa, Japão, Coreia, China, Turquia e Tailândia. No Brasil, a história de Zezé virou novela de televisão, filme e peça teatral.

O menino Zezé, filho de uma família paupérrima, cria um mundo de fantasia para se refugiar de uma realidade exterior áspera, conferindo alma a animais e árvores. Assim é que um pé de laranja lima se torna seu confidente, a quem conta suas travessuras e dissabores. No hostil mundo adulto ele encontra amparo e afeto em algumas pessoas, sobretudo em Manuel Valadares, o Portuga, uma figura substituta do pai.
A vida, porém, lhe ensina tudo cedo demais. A ingenuidade da infância está de todo perdida no precoce aprendizado da dor e da saudade.”

Minha opinião: O Meu Pé de Laranja Lima retrata a triste e pobre infância do menino Zezé. Ele tem apenas cinco anos de idade, quando a família precisa se mudar por dificuldades financeiras. O livro começa a partir dessa mudança. Tudo que acontece em volta é retratado pela visão daquela criança. Uma infância dolorosa, Zezé se refugia em um mundo à parte onde toma por confidente um pequeno pé de laranja lima.

Este é, com certeza, um dos livros mais tristes que já li em minha vida. A miséria e a ignorância em torno de uma criança que, muitas vezes, sabia mais do que os adultos. O livro possui uma história extremamente dura e áspera. Os castigos físicos e as palavras pesadas com que tratavam Zezé, me deixavam muito aflita.

“- Fica feio se eu chorar?
- Nunca é feio chorar, bobo. Por quê?
- Não sei, ainda não me acostumei. Parece que aqui dentro a minha gaiola ficou vazia demais...”

p.67 (O Meu Pé de Laranja Lima)

O ambiente é árduo e bem construído. Algumas passagens são extremamente tristes, você toma como “vilões” os personagens que maltratam Zezé, mas tem um carinho imenso por personagens afetuosos e amorosos, como o Portuga e Glória. Zezé é um menino extremamente sensível, o que pode ser percebido ao longo do livro.

Não sei se foi a pobreza ou a maneira rude de alguns personagens, ou se ambos influenciaram, mas talvez se tudo não se passasse dessa maneira eu não tivesse me emocionado tanto com a narrativa. Não chorei, mas diversos pontos mexeram com o meu lado afetivo e sentia uma angústia para que aquilo acabasse.

“- Mas tu deves admitir que às vezes a gente também possa sonhar.
- É que você não me botou no seu sonho.”

p. 158 (O Meu Pé de Laranja Lima)

É um livro que poderia ter pontos mais marcantes, entretanto por ser narrada à partir da visão de mundo de uma criança, tenho que admitir que é um livro forte. Algumas pessoas vão achar o livro fraco, mas deve-se levar em consideração a idade do protagonista e narrador. Recomendo a leitura, mas advirto que não esperem muitos pontos felizes.

“[...] Às vezes sou feliz na minha ternura, às vezes me engano, o que é mais comum.
[...] POR QUE CONTAM AS COISAS ÀS CRIANCINHAS?
A verdade, meu querido Portuga, é que para mim contaram as coisas muito cedo.

Adeus!”


Beijos,
Amanda


Direitos reservado à Amanda Aureliano. Não podendo ser reproduzido sem sua prévia autorização e consentimento.

2 comentários:

  1. Um livro realmente tocante e que nos faz pensar sobre a vida que levamos. Às vezes reclamamos bastante das coisas e esquecemos que no mesmo bairro existem pessoas passando por dificuldades muito maiores, por vezes indescritíveis. Realmente é um livro para se refletir. Ótima resenha ! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ronald
      Tem razão. Esse livro nos faz pensar muito e percebemos que precisamos ver mais o que está a nossa volta e não só nós mesmo. Fico feliz que tenha gostado da resenha! :D

      Excluir



Visualizações

Arquivo

Categorias