Resenha: O céu está em todo lugar

Título: O céu está em todo lugar
Autor: Jandy Nelson
Páginas: 423 páginas
Editora: Novo Conceito

“Eu deveria estar de luto, não me apaixonando. Às vezes é preciso perder tudo, para encontrar a si mesmo... Lennie Walker, obcecada por livros e música, tocava clarinete e vivia de forma segura e feliz, à sombra de sua brilhante irmã mais velha, Bailey. Mas quando Bailey morre de forma abrupta, Lennie é lançada ao centro de sua própria vida, e, apesar de não ter nenhum histórico com rapazes, ela se vê, subitamente, lutando para encontrar o equilíbrio entre dois: um deles a tira da tristeza, o outro a consola. O romance é uma celebração do amor, também um retrato da perda. A luta de Lennie, para encontrar sua própria melodia em meio ao ruído que a circunda, é sempre honesta, porém hilária e, sobretudo, inesquecível. Às 16h48 de uma sexta-feira de abril, minha irmã estava ensaiando para o papel de Julieta e, menos de um minuto depois, estava morta. Para minha surpresa, o tempo não parou com o coração dela. As pessoas continuaram indo à escola, ao trabalho, a restaurantes; continuaram quebrando bolachas salgadas em suas sopas, preocupando-se com as provas, cantando nos carros com as janelas abertas. Por vários dias, a chuva martelou o telhado da nossa casa — uma prova do terrível erro cometido por Deus. Toda as manhãs, quando me levantava, ouvia as incessantes batidas, olhava pela janela para a tristeza lá fora e me sentia aliviada, pois pelo menos o sol tivera a decência de ficar bem longe de nós.





                                       Minha opinião:                                   

O céu está em todo lugar é um livro que me ganhou nas primeiras páginas. Um livro que trata das perdas, de família e de amores. Um dos melhores que li este ano. A narrativa é tão boa que te prende até a última página e te faz sentir saudades dos personagens quando o livro termina.

Lennie era uma jovem, que tinha uma vida perfeitamente normal e confortável, ao lado de sua impetuosa irmã mais velha, Bailey. Sua vida muda para sempre quando ela perde a irmã. Ela precisa, então, aprender a sobreviver sozinha, encontrar seu próprio eu. Surgem dois rapazes em sua vida e ela precisa escolher entre o consolo e a alegria.


“Como isso podia estar acontecendo? Como podia pensar em fricassé e moléculas de carbono quando, do outro lado da cidade, minha irmã estava dando o último suspiro? Que tipo de mundo é este? O que fazer diante disso? O que fazer quando a pior coisa que pode ocorrer realmente acontece? Quando se recebe o telefonema? Quando se sente tanta falta da voz da irmã que o desejo é rasgar a casa ao meio, com as próprias unhas?”
Página 88 (O céu está em todo lugar)

A personagem Lennie é extremamente marcante. Sua dúvidas e medos, as incerteza que vive mostram o quanto está fraca. Ela tenta superar a dor de uma perda ao mesmo tempo que precisa descobrir quem realmente é. Lennie cativa ao leitor e mesmo quando toma atitudes impensadas e estúpidas, você torce por ela, quer que vença e cresça, quer que amadureça e volte a ser feliz. Toda a estória é moldada de forma especial e delicada, com personagens bem construídos e com características próprias.

Os confrontos internos de Lennie, sua saudade da irmã, seus confusos sentimentos, tudo é narrado com maestria, mostrando o lado frágil e debilitado emocionalmente da personagem. Conhecer Joe, faz com que Lennie consiga sorrir, ter momentos felizes, porém Toby, o ex-namorado de sua irmã, traz de volta as boas lembranças de Bailey e a consola.

A avó de Lennie é bem presente, além de divertida, ela é uma personagem diferente, que além do papel de mãe, exerce também o de amiga. A estória retrata a perda, as relações familiares, a dor e a tristeza, e que o amor pode florescer em meio ao caos. A narrativa em primeira pessoa enriquece a obra, trazendo as emoções e sentimentos da protagonista de maneira mais forte.

“Minha irmã vai morrer todos os dias, pelo resto da minha vida. A dor dura para sempre. Não desaparece nunca; torna-se parte de nós, a cada passo, a cada suspiro.”
Página 390 (O céu está em todo lugar)


Por último, cito a diagramação belíssima. A capa é feita com um material totalmente diferente das capas tradicionais, a fonte em tom azul ficou linda em contraste ao papel amarelado, mas o que mais amei na diagramação deste livro foram as mensagens e poemas, escritas pela própria Lennie, que iniciam cada capítulo do livro, fazendo com que se aproxime mais da personagem. A editora está de parabéns pelo excelente trabalho de diagramação deste livro.




Assista ao Book Trailer:






Beijinhos,
Amanda.

Direitos reservado à Amanda Aureliano. Não podendo ser reproduzido sem sua prévia autorização e consentimento.

Um comentário:

  1. Ótimo texto de resenha. Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa do livro é linda ela traz o universo como tema.
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

    ResponderExcluir



Visualizações

Arquivo

Categorias