Resenha: O Natal de Poirot


Título: O Natal de Poirot
Autor: Agatha Christie
Páginas: 223 páginas
Editora: Nova Fronteira
Véspera de Natal. A reunião da família Lee é arruinada pelo barulho ensurdecedor de móveis sendo destroçados, seguido de um grito agudo e sofrido. No andar de cima, o tirânico Simeon Lee está morto, numa poça de sangue, com a garganta degolada. Mas quando Hercule Poirot, que está no vilarejo para passar o Natal com um amigo, se oferece para ajudar, depara-se com uma atmosfera não de luto, mas de suspeitas mútuas. Parece que todos tinham suas próprias razões para detestar o velho...





                                     Minha opinião:                                      

Este foi o primeiro livro que li de Agatha Christie e estou encantada com a genialidade e a escrita da Rainha do Crime. O livro se desenvolve muito rápido e temos a impressão de estarmos realmente inseridos na obra, enquanto fazemos a leitura.

O livro narra a estória do excêntrico Simeon Lee, que resolve reunir toda a família para o Natal. Com inúmeras mágoas e ressentimentos, os Lee voltam à casa do pai para o Natal. O que ninguém imaginava era que este não seria só um Natal cheio de desavenças entre pai, filhos e irmãos, ou de acusação mútua e brigas constantes, mas seria o Natal de um brutal assassinato, o último Natal de Simeon Lee. E agora? Quem o matou?

“Talvez. Mas às vezes somos compelidos a falar a verdade.”
Página 20 (O Natal de Poirot)

Agatha, primeiramente, nos apresenta a cada um dos personagens de maneira individual, após, reúne-os num ambiente de mágoas e dor, e depois nos lança um crime como este. As perguntas se formulavam na minha mente com tamanha rapidez, que, até mesmo eu, fiquei impressionada comigo mesma. Tudo era tão convidativo ao crime, que o leitor começa a apontar o dedo para os suspeitos, mas, muitas vezes, equivocado é lançado a verdade nas últimas páginas e se vê completamente satisfeito com o final.

O enlace do livro foi muito bem feito e seus personagens são extremamente peculiares. Cada um dos filhos de Simeon Lee guardava um rancor do pai, assim tivemos inúmeros suspeitos. Hercule Poirot, o detetive mais famoso de Agatha, é quem vai atuar neste caso e ele me deixou extremamente satisfeita com sua participação, não só por sua astúcia, mas por muitas vezes ter ajudado a “quebrar” a tensão envolta no livro por conta do assassinato, pois ele usa de ironia em suas falas e nos faz rir.

“- ‘Quem jamais poderia imaginar que aquele velho guardasse tanto sangue dentro de si?...’”
Página 68 (O Natal de Poirot)

A Rainha do Crime provou que não só é digna de seu título, como também, que é e sempre será eterna. A leitura me agradou muito e estou ansiosa por mais um crime a desvendar, ou por um assassinato aparentemente sem solução.

Beijos,
Amanda


Todos os direitos reservados a Amanda Aureliano.

2 comentários:

  1. Como sempre os livros da Agatha Christie são incríveis,é minha autora preferida e tenho certeza que você vai gostar de outras historias ♥ Esse em especial é bem marcante,por ser no natal e ter alguns elementos um tanto quanto cruéis até
    Recomendo "e nao sobrou nenhum" hehe
    beijos
    http://imemoriavel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Tem razão, Danyele, Agatha escreveu livros incríveis. Fiquei tão impressionada com a escrita dela; é muito viciante. E obrigada pela indicação, flor!

    Beijão

    ResponderExcluir



Visualizações

Arquivo

Categorias