Pipoca, refrigerante e um livro: O Ladrão de Raios - Percy Jackson e os Olimpianos

Pipoca, refrigerante e um livro consiste em comparar um livro com sua adaptação cinematográfica.







O Ladrão de Raios
Título: O Ladrão de Raios
Autor: Rick Riordan
Série: Percy Jackson e os Olimpianos
Páginas: 387 páginas
Editora: Intrínseca

Primeiro volume da saga Percy Jackson e os olimpianos, O ladrão de raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia antiga. Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.

O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos - jovens heróis modernos - terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.




Sobre o livro:
Sempre tive muito interesse por mitologia e esta série me chamou muito atenção por trazer os personagens mitológicos para os dias atuais, isto parecia ousado e era um projeto, que a meu ver, precisava de muita criatividade para ser posto em prática, assim resolvi conhecer Rick Riordan e sua obra.

A estória de Percy Jackson, um garoto de doze anos, diagnosticado com dislexia e déficit de atenção, que está para ser expulso pela sexta vez da escola. Sua vida parece estar cada vez mais conturbada e através de alguns acidentes e revelações, ele descobre ser um semideus e que está sendo acusado de roubar o raio-mestre de Zeus. Assim ele sai em missão na companhia de um sátiro e a filha de uma deusa, tendo apenas dez dias para provar a sua inocência e impedir uma guerra entre os deuses do Olimpo.

Tinha plena consciência de que o livro é voltado para um público mais jovem, antes de começar a leitura, por isso não cobrei dele o que talvez tivesse cobrado caso fosse um Young Adult, mas para minha surpresa a estória se desenvolveu imensamente bem, não me senti num livro infanto-juvenil. Rick Riordan conseguiu passar com bastante leveza sua estória sem que ela esta ficasse infantil demais e tendo sido narrado em primeira pessoa, não senti imaturidade em Percy, pelo contrário, ele foi descrito de maneira muito condizente com a idade proposta.

A narração do livro foi muito boa, as páginas passavam muito rápido, além disso, a inserção da mitologia de um modo mais modernizado deixou tudo muito mais dinâmico e rápido. Os personagens são muito agradáveis e mantêm uma linha de raciocínio muito bom, não há ‘jogadas’ com suas personalidades, mas há uma formação rápida de seus caráteres aos olhos dos leitores.

Gostei muito de fazer esta leitura, não só pela quantidade de curiosidades sobre a mitologia que consegui adquirir, mas também por ter conseguido me envolver com a estória. Ela é um excelente entretenimento e vale a pena conferir a obra do “tio Rick”.




Ano: 2010


Baseado no primeiro de uma série de romances de sucesso, Percy Jackson e o Ladrão de Raios é ambientado no mundo atual, onde os doze deuses do Olimpo (instalados 600 andares acima do planeta, no edifício Empire State Building, em Nova York) estão vivos e criando uma nova raça de jovens heróis mitológicos que são semideuses - metade mortais, metade imortais. Zeus suspeita que Percy, filho adolescente de Poseidon, tenha roubado seu raio, a arma mais poderosa do universo. Para provar sua inocência e evitar uma guerra devastadora entre os deuses, Percy embarca numa odisséia transcontinental com o objetivo de encontrar o verdadeiro ladrão. Ao longo do caminho, ele enfrenta inimigos cruéis decididos a detê-lo, e salva sua mãe das garras assassinas de outro deus grego, Hades.




Sobre o filme:


Estava muito curiosa para ver esta adaptação, não só por ter gostado do livro, mas por ter ouvido muitos comentários sobre ele, comentários estes que divergiam de uma maneira impressionante.

No começo do filme, já é perceptível que ele não seguirá muito os traços do livro. Percy Jackson é um adolescente de dezesseis anos, quanto que no livro só tem doze. Ele não estuda em um internato, mas numa escola comum. É perseguido por sua professora, que ele descobre ser uma Fúria, mas sua proteção neste momento não é feita de maneira muito fiel ao livro. A chegada ao Acampamento Meio-Sangue é bastante fiel à descrição do livro.

Não há muito como se basear no livro a partir daí, pois são usadas muito superficialmente as informações nele contidas para as próximas cenas. O desenvolvimento de Percy no acampamento, sua decisão pela missão, tudo difere em partes do livro. O que foi muito alterado foi a busca pelas pérolas, que no livro são dadas por Poseidon a Percy através de uma mensageira, mas no filme, Percy vai em busca destas perólas. Outro ponto foi com quem o raio foi encontrado, isto difere bastante do livro. O desfecho foi bem diferente do que eu imaginava e do que o livro conta.

A fidelidade à obra não foi visada neste filme. Deixo claro que não o achei um filme ruim, mas pode-se dizer que seguiu apenas a existência dos personagens do livro para compor a estória. De modo geral, posso dizer que gostei de assistir esta adaptação e que pretendo ler os próximos livros da série.

0 comentários:

Postar um comentário



Visualizações

Arquivo

Categorias