Resenha: Matilda

Título: Matilda
Autor: Roald Dahl
Páginas: 254 páginas
Editora: Martins Fontes
Matilda adorava ler. Passava horas na biblioteca, lendo um livro atrás do outro. Mas, quanto mais ela lia e aprendia, mais aumentava seus problemas. Os pais viam televisão o tempo todo e achavam muito estranho uma menina gostar tanto de ler. A diretora da escola achava Matilda uma fingida, pois ela não acreditava que uma criança tão nova pudesse saber tantas coisas. Depois de mil peripécias, em que tentou se livrar da tirania dos pais e da diretora, Matilda acabou encontrando a compreensão de uma professora, srta. Mel.






Minha Opinião: 

Matilda é um daqueles livros infantis que, apesar do público ao qual se destina, cativa a todas as idades. É um livro fofo, engraçado, infantil, mas adulto também.

A estória trata-se de Matilda, uma menina para quem os pais não dão a mínima importância. Desde cedo, Matilda teve que aprender a se virar sozinha e amadureceu muito rápido. Ao contrário do que seus pais a chamavam, ela não era nem um pouco ingênua ou burra, Matilda era uma criança com uma inteligência acima da média. Aprendeu a ler sozinha ainda muito cedo, assídua frequentadora da biblioteca, ela logo se apaixonou pelo universo da literatura, aprendeu também a fazer contas com números grandes por puro deleite. Quando Matilda entra na escola, sua vida começa a mudar: a cruel diretora, que não acredita nela, a doce Srta. Mel, os novos colegas e suas grandes descobertas.

"Matilda era as duas coisas, principalmente inteligente. Tinha a mente tão ágil e aprendia tudo tão depressa, que mesmo os pais mais medíocres teriam percebido sua capacidade. Mas o sr. e a sra. Losna, muito obtusos e fechados em suas vidinhas estúpidas não notavam nada de extraordinário a respeito da filha."
Página 4 (Matilda)

É um daqueles livros para se ler em uma tarde. Repleto de figuras e com letras em um tamanho razoável, além de escrita bem fluida e tranquila, tudo faz com que o livro seja lido com a maior rapidez.

O fato de Matilda gostar de ler fez com que eu logo me identificasse, pois ela costuma citar livros que leu e isso sempre me agrada em livros.

"Seu pequeno quarto de dormir tornou-se sua sala de leitura. Quase todas as tardes ela sentava para ler, frequentemente com uma caneca de chocolate a seu lado."
Página 14 (Matilda)

Outro ponto a ressaltar é que Roald escreve de um modo a mostrar a superioridade das crianças em relação aos adultos. Várias vezes, o autor subestima as atitudes dos adultos, principalmente dos pais de Matilda, e exalta os valores e virtudes das crianças. Ele demonstra o poder de ação das crianças em relação ao conformismo dos adultos perante os problemas. Isso fica bastante evidente nas citações de livros de Dickens, que estão espalhados por quase todo o livro e são algumas das obras preferidas da personagem.

Não há muito o que falar sobre os personagens, pois suas aparições são bem rápidas e também críticas. O pai de Matilda mostra-se um grande vigarista ao longo do livro, sua mãe uma mulher viciada em jogos e o irmão já começa a trilhar o caminho do pai, a diretora da escola, Sra. Taurino, é impiedosa e rude, maltrata as crianças e age de modo ameaçador. Fora a família de Matilda e a diretora, há a Srta. Mel, a professora de Matilda, que aparece bastante e foi, desde sua primeira participação na estória, muito gentil e dócil.

"[...] Embora você pareça uma criança, na verdade não é, pois tem a mente e a capacidade de argumentação de um adulto. Talvez possamos chamá-la de uma criança adulta."
Página 207 (Matilda)

Gostei bastante da leitura. Recomendo para quem quer uma boa distração e uma diversão bem gostosa.

Beijos,
Amanda

2 comentários:



Visualizações

Arquivo

Categorias